sábado, junho 27, 2020

A Espera

Espero
sita na berma da estrada
de densas escarpas rodeada
impalpáveis, não imaginadas,
pelas leves mentes em ténue água...
sonhos, magia, passadas factuas

Espero
amorfa, em atenção ausente
pelos dizeres dessa outra gente,
vagos, codificados,
em ornamentos incontidos
abrigando o que não sentem

Espero
como tantos tristes de nós
ansiosos por outra voz
alegre, fiel, consciente
apresentando o devir silente
ocultado, alterado,
por oportunos e meros interesses

Assim se vive a planura de cada dia
na via escolhida em mordaça
esperando que num claro amanhã
a doce maré dum sorriso nos traga

sábado, maio 16, 2020

Silêncio


Ai, quem me dera
ser uma simples letra
projectada no espaço
e pela luz irradiada
num simples e mero abraço

Ai, quem me dera
encontrar aquele sorriso dos tempos
nos camuflados momentos
de existência vivente
que de súbito se foram
inconscientes

Ai, quem me dera
ser a voz deste inócuo,
pesado silêncio
neste tempo de dorida leveza
sentido no sorriso de tanta gente
neste meu País amado
e tão ausente...