sábado, maio 01, 2010

Um dia pela Vida*

























Codificados são os números
símbolos, letras, espaços
que te entoam como laços
no fulgor do teu ser profundo

Segues o texto indecifrável
pelas mentes normalizadas
tentas outras sementes
de outrora, em ondas claras

E de repente
como animal em cavalgada
na árvore em doce rama
descobres da vida a essência
no que a palavra cala
pela subsistência da flor amena
que em estádio de silêncio
o amor preenche e vaza

Quisera ser a triangular forma da palavra
no subtil aroma da longa, incansável vaga
feita de fogo, terra, sal e água


(imagem recebida por e-mail)

* poema para o livro "45 Poemas pela Vida
corrente solidária". Núcleo da Maia. Liga Portuguesa
contra o Cancro. Edium Editores

10 comentários:

Marta disse...

E deixas um aroma de leveza, ternura, doçura...
Suave......
Adorei cada palavra...
Beijos e abraços
Marta

alice disse...

muito bonito, fatinha. um beijinho grande.

pin gente disse...

tenho o livro e já tinha lido, amita!
gostei muito

um abraço
luísa

maré disse...

´que cavalgada acesa pela e da palavra!

este poema é lindo e cheio de simbologia amita

_____
obrigada minha querida.
um beijo grande e sei que cruzaremos a voz para entardecer na ternura dos afectos

© Piedade Araújo Sol disse...

a trote
na pradaria
sorvendo a brisa
e
a
vida
sempre!

beij

tecas disse...

Querida Amita, soberbo poema e excelente imagem. Este poema fica na história de um dia...
Um beijinho e 7 rosas

Manoel Carlos disse...

Há poemas que são códigos universais...
Manoel Carlos

Aníbal Raposo disse...

Olá amiga,
Excelente poema.
Beijos

Nilson Barcelli disse...

Belíssimo, querida amiga. Gostei muito e achei o teu poema excelente.
Boa semana. Beijo.

Peter disse...

"descobres da vida a essência
no que a palavra cala
pela subsistência da flor amena"

Hoje perdi-me por aqui pois já tinha saudades de ler os teus versos.

Bom domingo, está um dia maravilhoso.