sexta-feira, junho 18, 2010

Singularidade




























Ilusão súbita e tardia
Quando mãos abriam em ondas de prata
Seu corpo submerso em bolsas de água -
Quimera em mantos esparsos

Respirava o deslizar borbulhante da pele
De intensidade profunda e leve
Qual suave e doce melodia
Pelos devaneares sentidos
De um silêncio em que se abarca
Num farol estranho que canta

Voava pelo mundo da utopia
Em fugazes cordéis de laços
Sorrindo incauta e intensa
Nas bolhas desfeitas nos braços
E pelo corpo do poema
De traços dobrados
Geravam-se raízes
Em sépia clareadas


(imagem do Google)

9 comentários:

alice disse...

nos caminhos da utopia, se escreve a poesia, querida amita. notei um registo muito delicado nestas tuas palavras, como se uma brisa viesse ao de leve tocar-me. muito bonito! um grande beijinho.

ZezinhoMota disse...

Amita, amiga e conterrânea! Agradeço-te pela visita e essencialmente pela força que me dás...

O carinho é recíproco como sabes.

Devo dar-te uma feliz novidade sobre um dos meus grandes sonhos...

Em fins de Maio publiquei o meu primeiro livro de poesias "A Natureza e o meu Poema" onde contém 180 páginas e 112 poemas. Tornei-me o Editor da minha obra porque os preços das Editoras não cabem na minha carteira e os pedidos de patrocínios nem resposta me davam...

Se o quiseres ver, a capa, podes visitar no meu blogue aberto para o efeito com o título "A Natureza e o meu Poema" http://omeupoemanolivro.blogspot.com

As minhas saudações

ZezinhoMota

o meu novo endereço electrónico de serviço é zezinhodamota1@gmail.com em virtude de o zezinhodamota@gmail.com estar quase cheio e não ter tempo para escolher o lixo...

Zezinho

Paula Raposo disse...

Muito bonito o teu poema!!Beijinhos.

Ianê Mello disse...

Repasso com muito carinho esse selo Sunshine Award que ganhei do Blog Colcha de Retalhos para você. Vá lá pégá-lo em meu blog Diálogos Poéticos e veja as regrinhas.

Grande bj.

Marta disse...

Como sempre, um poema cheio de carinho e suavidade.
As palavras abrem os braços e deixam um abraço....
Lindo....
Beijos e abraços
Marta

Titas disse...

que saudades eu tinha de te ler! Mas hoje consolei-me..

tecas disse...

Olá querida Amita! Consegui por fim... Magnifico poema cheio de sonhos e...

"Voava pelo mundo da utopia
Em fugazes cordéis de laços
Sorrindo incauta e intensa
Nas bolhas desfeitas nos braços"
Sensibilidade à flor da pele...e por escrever flor...um beijo e uma flor amiga.

Gonçalo de Assis disse...

Boa noite
Adorei o seu poema e apeteceu-me comentar e elogiar a sensibilidade que o gerou . Deixo um abraço e voltarei cá

pin gente disse...

porque cria o sépia imagens de certa forma nostálgicas?
gostei, amita

beijos
luísa