terça-feira, junho 24, 2008

A Lenda













No início de um século remoto, em terras de Espanha,
o povo andava em sobressalto, apavorado.
Uns, atónitos, clamavam atando as mãos à cabeça
É coisa do diabo!”.
Outros, de joelhos no chão e olhos esbugalhados,
bradavam “É milagre!”, “O fim do mundo!”, “Oremos, irmãos!”.

Os senhores mais poderosos da época enviaram emissários
às origens da sabedoria com missivas secretas.

Ali se reuniram discretos e protegidos alquimistas, zelosos
e estudiosos pensadores, cogitando vasculhar o corpo da
loucura (assim lhe chamaram) a emergir em forma de
cotovelo da água.

Perante tal impossibilidade, os primeiros recolheram lodo,
raízes dadas à costa pela maré, pó de pedra da rosácea
da igreja da Madre del Mar, areia, algas, resquícios de sal, e
tudo misturaram com mezinhas, poções e cal.

Os eruditos debruçaram-se sobre volumosos livros, códices,
papiros e elaboradas equações matemáticas. Sem explicação
para o fenómeno, afirmaram “Aumentem o tributo ao povo!”,
Sacrifiquem-se cabritos!”, “Imolem-se os ímpios!”.

Todos os métodos usados de nada serviram.

Subitamente, para espanto de toda a gente, o mar aquietou.

Ainda hoje, naquele lugarejo isolado, conta-se aos mais
pequenos a lenda do tornado.


(minha participação no jogo das 12 palavras daqui )

12 comentários:

Marta disse...

Lindo como sempre....
A beleza do mar....
Gostei imenso da tua "lenda"...
Beijos e abraços
Marta

Paradoxos disse...

formidável!!!

abraços

Luisa disse...

com as doze palavras inventaste um lenda de encantar. Deve ter sido difícil mas resultou e eu gosto imenso de lendas.
Queria tamb´m agradecer os parabens deixados no meu blog. Já são muitos...

Paula Raposo disse...

Adorei ler-te!! Beijos.

Menina_marota disse...

DIVINAL!
E com uma imagem que "casa" muito bem com a lenda.

É um prazer, cada vez mais renovado, ler-te. E não podia ao passar por aqui de dizer-te exactamente isso.

Beijinho e bom fim de semana ;))

Menina_marota disse...

Ah... esqueci-me de referir o poema de Ramos Rosa que, como muito bem sabes, sou fã incondicional da poesia dele.

Uma partilha perfeita: poema e imagem...

"...Indecisa e ardente, algo ainda não é flor em mim.
Não estou perdida, estou entre o vento e o olvido."

Cada palavra do Poeta é como se fosse o espelho da minha alma...

Grata pela partilha que, é sempre bela de ler e reler e voltar a ler...

Beijocas, AMIGA

Vieira Calado disse...

Coisas do diabo!
Felizmente (por um lado), infelizmente (pelo outro) hoje é o aquecimento global.
O diabo que escolha!
Gosto destes textos cheios de mistério.
Cumprimentos

In Loko disse...

Olá querida e boa amiga, desculpa o meu silêncio mas o tempo não me dá tréguas.
E esta Lenda está fascinante, pelo que me apercebi foste tu que a criaste... está lindíssima Amita!
E é sempre um prazer enorme ler-te, já tinha muitas saudades de te ler, tenho de voltar a vir aqui com mais frequência... sempre foste das pessoas que mais gostava de ler, e assim vai continuar a ser com certeza!

Meu beijinho terno e cheiinho de saudades!!!

Lucubrina disse...

�Aumentem o tributo ao povo!�,
�Sacrifiquem-se cabritos!�, �Imolem-se os �mpios!�.

Ontem como hoje. Aumentem o tributo ao povo. Chamem o(s) Deus(es). Isolem-se os anal�ticos/cr�ticos.

Muita bela a lenda para um fen�meno desta t�o nossa natureza.

Hoje � o meu primeiro aparecer em escrito para lhe transmitir quanto gosto da sua p�gina.

Com pouco tempo para alinhavar algumas palavras, continuarei a visit�-la mesmo que em sil�ncio.

Obrigado

Um forte abra�o

Lucubrina disse...

Agora vi.
A escrita apareceu levemente estranha. Será por associação ao seu texto? Sem intenção até parece que não ficou mal :-)

tecas disse...

Excelente!!! Sem dúvida, afirmo, ser uma beleza poeticamente bem elaborada. Um aplauso sonoro para ti grande poeta, senhora e amiga.
Mil beijos e...continua a deliciar-nos com o estilo elegante da tua poesia.
Tecas

C Valente disse...

Gostei de aqui passar e vou voltar,
Saudações amigas