sexta-feira, março 27, 2009


























Entontecidos e acuados
deambulam pelos telhados
em magnética invisibilidade

São vozes derramando vitualhas
em odes de tempestade
tacteando a flauta da verdade

Dizem: maldição, incongruência!
Dizem: da menina-larva,
do benjamim precoce,
o aclarar a demência…

Olvidam que é hora do amor,
da partilha em simplicidade
qual sublime beija-flor
a tecer partituras de humanidade
com a coragem e vigor
que na natureza de nós
em ternos laços
nos dança


(imagem Getty Images)

(participação no Jogo daqui com as palavras:
amor, beija-flor, benjamim, coragem, flauta, maldição,
ode, partilha, simplicidade, tecer, verdade, vitualhas)

7 comentários:

Paula Raposo disse...

Tão lindo, Amita!! Adorei. Beijos.

tecas disse...

< olvidam que é hora do amor,
da partilha em simplicidade>. A beleza interior transparece na partilha. Bonito e bem escrito.
Diria sem sombra de dúvida que esta frase é: Amita de corpo inteiro, Amita que se dá, a poeta desligada do eu...eu...
Um louvor para ti querida.
Mil bji

Zémaiato disse...

Obrigado Amita pelo abraço comentado no Zémaiato.
Pois é na entrega que também encontramos bem estar e realização pessoal, e tantas vezes utilizando por "carolice" aquela - "Coragem e vigor que na natureza de nós em ternos laços nos dança! na alma do nosso ser.
Abraço de amizade
José faria

Marta disse...

Esquecemo-nos que as coisas simples valem mais do que o ouro....
Basta soltar o corpo para nos sentirmos junto da alma...
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

Peter disse...

Jogos de poetas, sempre agradáveis de ler pelos não-poetas.

Peter disse...

Boa sorte para amanhã.

Carla disse...

tão lindo este teu enlaçar em forma de valsa...ando a decobrir-te lentamente e tem sido um prazer!
beijos