sábado, dezembro 09, 2006

como é urgente...
























Urge do amor o canto pleno
o orvalho em manhã clara
a luz que a hora espalha
em mil cores e solfejos
pelos três cantos da casa

Urge tecer asas e lírios
num arco-íris de beijos
e nas pedras da calçada
pela chuva desbotadas
pintar meigos sorrisos

Urge do frio o aquecimento
dos pés descalços em brasa.
Urge o mar, a serra, o rio,
a fluência da verdade
no olhar que a brisa enlaça

Aclarar o dito, o não dito,
nos gestos da sociedade
e, do Amor maior, o brilho
terno, sereno em Amizade
como urgente é o momento
de Paz, no alento
do ouro manto das searas


Poema in "Transparência de Ser"

13 comentários:

Isa&Luis disse...

Olá amiga,

Gostei dessa tua poesia, ela é profunda, toca a alma. Parabéns!


Muitos beijinhos para ti

Isa

Peter disse...

"O ouro manto das searas" do meu Alentejo, ilustra a tua poesia de paz e amizade, sobre um fundo de Vivaldi.

Tudo de melhor para ti.

Luisa disse...

Como tudo é urgente neste mundo que se esqueceu da Paz e do Amor!

Luisa disse...

Acabei agora de linkar este teu blog ao meu. Espero não te voltar a perder...

MARTA disse...

Nem sei o que dizer - respira-se aqui tanta paz e tanta amizade...
Feliz por partilhar............
Beijos e abraços
Marta

Carmem L Vilanova disse...

O Amor, a Paz, a Amizade, os bons sentimentos sao sempre urgentes, querida!
Lindas palavras, as tuas!
Beijos!

mnemosyne disse...

Uma sensibilidade à flor dos dedos que semeia nervuras ..como arado no solo...
Um beijo

Unicus disse...

Urge mesmo, Fatinha é publicares.
Beijos, beijos

amita disse...

Meus queridos
amigos presentes
e aqueles sempre lidos
que passam... ausentes.

O tempo é interrompido
na expectativa em demora
de uma vida nova
espaçada e sofrida
na Esperança
sem desistência.

Assim em mim a Hora dança
sob brilhos silentes
e do amor, da partilha
espalho sorrisos
serenos, doces e ternos
nas Festividades que espero
e a todos desejo
alegres, diferentes.

Bem Hajam por existirem
e de mim fazerem parte.
Mil bjos
Mil abraços

Antonio Melenas disse...

Sem ser propriamente um poema de natal, ele adequa-se perfeitamente a esta quadra. È a vida inteira que es´tá no poema. Cor, música luz, asas searas, e Paz... Lindo, inspirado. Gostei, Como sempre.
bjs.

Nilson Barcelli disse...

Urgente é juntares uns quantos poemas e arranjares um editor para os publicar em livro.
A tua poesia é superior, merece isso.
Bom fim-de-semana.
Beijos.

Rosa Brava disse...

Não consigo visionar a imagem, mas sei que será tão bela como o Poema...

"...Urge do frio o aquecimento
Dos pés descalços em brasa
Urge o mar, a serra, o rio
A fluência da Verdade
No olhar que a brisa enlaça..."

Soberbo!

Beijinhos e renovo o meu desejo que tenhas um FELIZ E SANTO NATAL, na companhia dos que te são queridos.

Ana Maria disse...

bonitas imagens.