terça-feira, outubro 26, 2004

Amor - Camões vs Drummond

Luís de Camões

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É o não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?


"As sem-razões do Amor"
Carlos Drummond de Andrade


Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.

Amor é dado de graça,
é semeado ao vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.

Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

3 comentários:

mariah disse...

vai amanhã pelo correio.

dê uma espreitadela a este blog:

http://patriadagua.blogspot.com



eterno, este poema iniciático.
bj.

ponto azul disse...

Não conhecia este poema...que lindo, o Amor é mesmo isto! :-)

Carmem L Vilanova disse...

O Amor eh mesmo tudo, pois tudo com feito com amor fica muito melhor!
Parabens! Voltarei mais vezes!