quarta-feira, outubro 13, 2004

Ela

Saiu! Seu passo certo, programado,
sem pressa na aparência.
De olhar distante, vendo sem nada ver
os pequenos grandes nadas que a rodeiam
Segue trajectos calculados, meditados
minutos antes delineados

De cadência suave, altiva de nada,
cabelos ao vento, tez natural,
na sua simplicidade muito própria.
Ninguém encontra, ninguém vê.

Traída pelo olhar sereno, expressivo
de curiosidades, de procuras,
as gentes olham, seguem, se reviram
quando ela passa distraída

Os passarinhos, os melros, as rolas bravas
com seus cantares e chilreios
esvoaçam perto dizendo "Bom dia"
E ela, ao vê-los, sorri
pensando "Natureza maravilhosa!"

Sem nada procurar nem esperar
da vida, certa da rota a seguir,
caminha como se em sonhos navegasse

Interioridades musicais, coloridas
de marulhentos mares, brisas
e luares estrelados, pacificantes,
perseguem seus gestos e postura.
Que esperar da vida se a vida a espera?!

E lá vai ela, que tudo e nada vê,
cadenciada pelo seu mundo.

4 comentários:

Maria Branco disse...

Sublime amiga! A vida espera-a, e ela sabe disso, e quem olha sabe-o também... Por isso a sua serenidade!! Beijinhos

lique disse...

Que confiança, que certeza, que leveza perante a vida nesse caminhar! Belo poema, amita! Beijinhos

JPD disse...

Belo poema, miga.
Bjs

Justamente Eu disse...

lindo poema.