quinta-feira, novembro 03, 2005

Tempo



Uns se encobrem de folhas secas
Outros abrem a escuridão do dia
Tudo acontece nos momentos
vestidos de fantasia

Assim se passa o tempo escasso
Dos rasgos esboço meu traço
nos farrapos omitidos
a que assisto

Sofro pelas dores alheias
tão inteiras de cinzas
que me morro
no meio delas

E se prevejo
cada passo, cada rasgo
nos ténues fios que sinto
me enrolo
em novelo me torno
e hiberno na caixa
do tempo sem tempo
deixando a porta aberta
do sorriso
para o amigo
que passa

16 comentários:

ponto azul disse...

Esta amiga passou por aqui!Bjs :-)

Carmem L Vilanova disse...

Amiga,
Estive sem conseguir entrar nos comentários nos últimos dias, por problemas do meu próprio pc, mas já está tudo funcionando novamente e cá estou para deixar-te muitos beijos e sorrisos!

Raquel V. disse...

Nas nossas vestes de ocasião, na nossa pele que esconde as cinzas que não desejamos que se vejam... passamos por perto para deixar um beijo, amiga :)

Menina_marota disse...

E, eu cubro-me de afectos, que te deixo, num sorriso terno, porque também eu

"...Sofro pelas dores alheias
tão inteiras de cinzas
que me morro
no meio delas...2

Lindo e sensível o teu poema!

Um abraço terno ;)

Adryka disse...

Amiga adorei, és linda. Beijinhos

wind disse...

Lindo poema à amizade. bjs

Passaro Azul disse...

Ao voar pelo teu espaço, sinto a sensibilidade patente em cada palavra.
Um voo assim, dá vontade de repetir.
Até breve. Um beijo.

Paula Raposo disse...

Lindo. Gostei imenso. Beijos, bom fim de semana

Espectro #999 disse...

     ‡     E efectivamente eu ia a passar uns breves momentos no meu território     ‡     quando vejo, com grande alegria a minha amiga Amita     ‡     a deixar-me um comentário supimpa.     ‡

     Ω  Beijocas e inté  Ω

Peter disse...

Amita, muito belo este poema. É dos melhores que tenho lido teus.

AS disse...

Não sei o que é o tempo ou que vantagem
Pode haver em suas exactas dimensões
Já que todo o tempo são apenas ilusões
Que duram só enquanto dura esta viagem...

Mas o que é o tempo Amita, para além das belas palavras do teu poema???

heloisa disse...

EU "PASSEI"!...
Passo e deixo sentido ABRACO!
Heloisa.
(continuo em estado "hibernativo"!)
**********************************

M.P. disse...

Olá. Só para dizer que estou de malas feitas para partir para o "Palavrejando" ... :) **
http://palavrejando.blogspot.com

José Gomes disse...

EStá a dar-me um erro na abertura deste blog.
Que se passa Amita?
Gostei de ouvir este poema no sábado.
Boa semana.

Maria do Céu Costa disse...

Devemos cobrir o tempo do melhor que existe em nós. Escrito com sensibilidade este "Tempo". Beijinhos.

Fernando B. disse...

Vivi a doçura das tuas Palavras.

Foram para mim um bálsamo em tempo de desencanto.

Beijocas,