segunda-feira, maio 23, 2005

Primavera no Wisconsin

Na limpidez tranquila da manhã diáfana
em que as despidas árvores imóveis
são como nervos ou expectantes veias
no corpo transparente do azulado ar,
as águas quietas, mas não tanto que
nelas se espelhe mais que a concentrada cor
do ar tranquilo, nem tão menos que
pareçam gelo perto as águas mais distantes,
pousam na margem delicadamente
como na mesma terra infusas se dispersam
dos ramos e dos troncos sombras confundidas.
A terra se amarela de ante-verde
e, sêca, espera, entre a neve que foi
e o ténue estremecer da seiva que desperta.


(Poema de JORGE DE SENA)

2 comentários:

Carmem L Vilanova disse...

Muito bonito, querida amiga! Como sempre teus escritos me fascinam... :)
Muitos beijinhos para ti!

Å®t_Øf_£övë disse...

Muito bonito este poema que aqui nos deixas.
Bjs.