domingo, maio 22, 2005

As Casas Vieram de Noite

As casas vieram de noite
De manhã são casas
À noite estendem os braços para o alto
fumegam vão partir

Fecham os olhos
percorrem grandes distâncias
como nuvens ou navios

As casas fluem de noite
sob a maré dos rios

São altamente mais dóceis
que as crianças
Dentro do estuque se fecham
pensativas

Tentam falar bem claro
no silêncio
com sua voz de telhas inclinadas


(Poema de LUIZA NETO JORGE)

2 comentários:

M.P. disse...

Cada casa tem o seu mundo.. A "casa" é sempre onde se quer regressar pois é onde estamos em nós! :) Boa semana!

Gustavo Almeida disse...

Uau!!

Luiza Neto Jorge!!

Boa escolha, plena de desconstrutivismo.