quinta-feira, outubro 06, 2005

Pelo Silêncio da Noite

Partirei pela noite silenciosa
Arrastando os passos cansados

As vozes que me retardam
Nos ecos dos penhascos
De todas o tudo amarei
Na gota de chuva ou orvalho
No despertar de cada estação
Pujante, no abrigo da paragem
Das mãos que afagam o instante
De aragem da estrada

Da canção as amarras soltarei
Para que cada deus renasça
Entre a relva verde dos prados
E o azul em mim espelhado

Pelo silêncio da noite voltarei
Quando ouvir o canto da cigarra

8 comentários:

Raquel V. disse...

"Partirei pela noite silenciosa"
"Pelo silêncio da noite voltarei"

O ir e vir constante da vida... com tudo o que pelo meio existe... Não é?

Beijinho

Carmem L Vilanova disse...

Amiga, hoje vim para convidar-te para a festa de 1º aniversário do Eu Sei Que Vou Te Amar... És peça muito importante neste um ano de história, afinal é tambem por ti que ele existe!
Muitos beijos, flores e sorrisos para ti!

lique disse...

Um belo poema de ir e voltar, numa jornada pelo sil~encio da noite. Beijinhos, amita

Mitsou disse...

Querida Amita, tinha tantas saudades dos teus poemas. Desculpa-me as ausências mas conheces o motivo...Um beijinho muito doce, linda.

Paula Raposo disse...

A companhia inesquecível de cada noite, que só é possível após o final de cada dia. A renovação do amor presente. Um grande beijo

Manoel Carlos disse...

Parece que agora conseguirei comentar!
Noutras tentativas, não apareciam os caracteres de segurança a serem digitados.
Em tempos sombrios é bom ver um canto que traz a certeza do amanhacer e, com ele, o retorno.

AS disse...

Amita, a tranquilidade do poema á contagiante... tem uma melodia inconfundivel!

Beijos

GNM disse...

Uaauu!

O teu poema tem um ritmo excelente!
Gostei muito!

Bom fim de semnana!