sábado, março 25, 2006

Quando a Terra Despertar...


















Serei a pedra, o sal, a água,
aquela palavra ausente
serena que o mal afasta
da calmaria das noites

A orvalhada, a neblina,
deslizando em ténues brilhos
no azul-negro da cidade

Lusco-fusco que se espalha
em traços curvas d’estrada
na solidão caminhante

Rio descendo a montanha
saltando escolhos veloz

O laço que se estende
no abraço, no instante,
da água que beija a foz

Serei a onda que grita,
no interior de nós,
a descoberta tardia

O amor, a liberdade, a paz,
cobrir-me-ão amanhã
quando a Terra despertar
para mais um dia
de intuições benditas
e o sorriso aclarar


(imagem recebida por mail sem indicação do autor)

Poema in "Transparência de Ser"

12 comentários:

AS disse...

Querida Amita,
És a pedra, o sal, a água
Também és sinal de fogo
E sinal de repouso
Ou, inesperadamente, o goivo
A despontar entre as neves...


Um beijo grande

Maria Costa disse...

"Rio descendo a montanha..."

Beijinhos,
Maria do Céu

henrique doria disse...

Encontrar-nos-emos dia 1. Pena que não seja mais vezes. Sim, mea culpa. Beijos.

Menina_marota disse...

"...Serei a onda que grita
No interior de nós
A descoberta tardia..."

É sempre uma maravilha
ir ao encontro da tua alma poética. Adorei! Beijo e boa semana ;)

Luís Monteiro da Cunha disse...

Foi com imenso prazer que li o teu comentário e visita no Bufagato...

E é também com emoção que descubro as tuas palavras e os sentires poéticos... já ganhei o dia...lol

Obrigada

Ainda não consegui elaborar nada para o tema proposto... mas a ver vamos...

Beijinho e boa semana

BlueShell disse...

ADOREI o TEXTO, A imagem e a múica! Preciso ficar por aqui algum tempo...a pensar na vida! Posso?
Faz-me bem ficar aqui....

***BShell

De Amor e de Terra disse...

...o amor e a paz cobrir-me-ão amanhã...

Claro que sim! quando tudo acaba,
só o amor e a paz nos cobrem, se tivermos lutado por isso...e tudo recomeça!


Beijo

Maria Mamede

lena disse...

que belo poema

como gostava de ser "onda que grita"

ao ler-te lembrei-me que um dia escrevi e deixo para ti:

Fui pedra
Em manhã de frio.

Estrela
Nos caminhos da infância

Verão quente
Em arbustos de fogo

Frescura
Num instante inocente

Fui obra
Na inteligência humana

Lâmpada
Duma paixão adormecida

Infinito
Em certas horas

Teoria
De palavras ardidas

Fui sonho
De uma loucura com sol!

l.maltez


beijinhos, adorei a tua poesia


lena

Neith disse...

Hoje estou parca em palavras(desculpa)...adorei o teu poema. Beijinhos :)
P.S. mudei de endereço : hhtp://echoes.blog.simplesnet.pt

diva dos sonhos disse...

Sonho Lindo...

Isa&Luis disse...

belíssima a tua poesia.

Beijinhos


Isa

Raquel V. disse...

"Serei a onda que grita
No interior de nós"


Derei sobretudo futuro... esperança e sorriso!


Bonito poema, um hino ao que desperta!
Beijo grande!