quarta-feira, abril 27, 2005

Poema desconexo

Vagueio num mar de letras
Poema sem ligação
Horas batidas no tempo
Que mais não são
Um denso momento

Rosa-dos-ventos girando sem vento

Vejo movimentos atados
Laços de escuridão
O negro encanecendo
Sinfonia sem mãos
Poesia estremecendo

Nuvens toando cavalos alados

É um poema desconexo
Na selva das folhas
Tombadas incerto
Ténue sopro d’areia
No sal do deserto

Poesia de pólos amorfos sem meias

1 comentário:

Anjo Do Sol disse...

Aqui passo apenas para deixar um beijito e ler o poema. :)