domingo, abril 30, 2006

A Casa da Árvore
















Suspensa numa árvore respira uma casa
pequenina insignificante indistinta tosca.
Aos olhos calados é uma casa lisa.

Da ranhura do telhado uma pena é vergada.
O peso da sombra das horas seus filamentos
espalha sobre o mato verde em escada.

Em surdina esboça uma cantiga de Maio
tímida.

Sobre as gotas de orvalho que a noite pende
deslizam pétalas de algodão doce em notas azuis
soltas pelo calor da manhã.

É uma casa singela navegando no silêncio
dos longos segredos enlaçados pelo mar.


O sonho encheu o dia de aromas
e iluminou de sorrisos ternos
um sereno despertar.

7 comentários:

serpa disse...

um suspiro em suspenso e parado o tempo persiste o aroma a primavera

Nilson Barcelli disse...

Gosto imenso dos teus poemas.
Deste também.
Deverias reunir alguns e tentar publicá-los em livro. Eu compro...
Beijos querida amiga.

Maria Costa disse...

Bonita imagem, simbolizada na casa da arvore e no poema à volta da mesma.

Beijinhos.

Carmem L Vilanova disse...

Querida amiga,
Hoje, ao fim, retorno. Estive de mudança de casa, milhoes de coisas para arrumar, e para completar, mais de um mês sem internet e depois, uns quantos dias com a conexao sem funcionar bem... mas felizmente cá estou outra vez, para ler-te, saber de ti, e dar notícias de mim também.
Beijos, flores e muitos sorrisos para ti!

Nilson Barcelli disse...

Já devias ter escrito mais uma página do teu livro...
Vamos lá Amita. Força.
Beijos querida amiga.

AKIAKA disse...

Poesia é sempre bom, ando meio de lado com ela, as vezes temo que ela me reveler além da conta. rs

Muita paz

maat disse...

eu não compro poemas,delicio-me com eles.
este momento de poesia é lindíssimo.
Afinal ela está em nós e em todo o lado, não é?


bjs, querida Amiga.


***maat