segunda-feira, julho 25, 2005

Entretanto...

Não existo entre a gente que passa
Sou a solidão da palavra
Ausente… em nada

Não percorro me quedo silente
No tempo que passar não passa
Em horas delineadas

Não sou traço sou um ponto
Que vagueia pelo espaço
De tão rodar na palavra
Fico tonta espiralada

Nada sou nada condiz
Nestes tempos avançados
M’espanto com quem me diz
Que o luar existe iluminado
Que o mar ondeia seu canto
Que o sol dá luz e quebranto
E entretanto
Me meto na concha fechada

10 comentários:

José Gomes disse...

Qual concha, qual nada!!!
Quando te ries iluminas tudo à tua volta.
A nostalgia é propriedade minha.
Não queiras que te mova um processo...
Um abraço, amiga.

wind disse...

Belo e intimista. beijos

Å®t_Øf_£övë disse...

Amita,
Uma boa semana para ti.
Bjs.

AS disse...

Amita, o Zé gomes tem razão!...

Abre essa concha e irradia a tua luz!...

Um beijo grande

Carmem L Vilanova disse...

Lindíssimo, como sempre, querida Amita!
Recentemente tive o prazer de "conhecer-te" através de fotos do encontro do nosso amigo Fernando... bem se vê que a alegria irradia de ti, doce amiga!
Deixo-te muitos beijos e flores! :)

Estrela do mar disse...

...hoje há festa na CLAVE...se puderes aparece...

Beijos.

Jor disse...

Amei seus poemas, são lindos demais...
bjus

Adryka disse...

Nãõ faças isso n/ te escondas a vida é o agora vive mesmo que com dor mas vive n/ renegues a vida, se o fizeres virás a arrepender-te.
Um grande beijo

létinha disse...

keridos amigos
....arranjei coragem...
muita!!!
e
criei um blogue...
se kiserem visitar-me...
e
tiverem coragem para o fazer...
força, avancem!
beijux létinha.

ps.-chama-se "Sonhos Sonhados"
entra-se no labirinto
........com a frase mágica
http://birdfleur.blogspot.com/

Menina_marota disse...

"Não existo entre a gente que passa"

Claro que existes! Com a tua alegria, com a tua Amizade, com a tua força de Viver, existes aqui e em muitos mais lados, especialmente no meio de quem te quer bem.

Beijocas grandes ;)