sexta-feira, janeiro 14, 2005

Abrigo

Uma casa pequenita
De branco anda vestida
Tem olhos pretos
Imensos
Interioridades da vida
Vêde como é bonita

Caminhantes que lá chegam
Vindos de longe ou de perto
Um carinho encontram
Um abrigo
Um sorriso, um amigo
Um abraço mui terno

Casa modesta, singela
Interiores d’azuis pintados
Para a acalmia
Alegria
Dos caminhantes cansados
Perdidos no tempo que gela

De sonhos foi musicada
Em amor está colorida
Florida
Amena serenidade
De Paz, da verdade
Infinita, abraçada

Pára e entra, ó caminhante
Se tens sede, fome ou dor
Água e pão
Com ternura te darão
Afastando teu pendor
No entardecer, no Levante

3 comentários:

heloisa disse...

PARA LA' DE MUITO BELO* QUERIDA E DOCE *AMITA*!!!!!!!!!!!
BEIJINHO.
EXCELENTE FIM DE SEMANA!
Heloisa.
**********************

AnaP disse...

Minha linda, sorte do Caminhante que te tiver por anfitriã nas noites frias, para um abraço, um copo de água (ou vinho), um abrigo e uma sopa bem quentinha! :-)
Beijinhos***

Manoel Carlos disse...

Esta casa fica em Gandola, Vila Morena, Terra da Fraternidade?