quarta-feira, janeiro 05, 2005

Em Tempo...

Procuro a beleza, a candura
Palavras doces, a ternura
Entre os brancos espaços

Ávida percorro silêncios
Interiores profundos, imensos
Vogando em gotas d’água

Desbravo as letras do tempo
Correndo, pausando, a contento
De sóis brilhantes, luzentes

Desenho imaginações
Teço mantos de canções
Nuas nos ventos passados

Exploro árvores invernosas
De folhas caducas, chorosas
Buscando a luz dos abraços

Sigo trilhos e caminhos
Feitos de escolhos e ninhos
Encobrindo minha mágoa

Diviso rectas, espirais
Geometrias planas, iguais
Sentimentos condizentes

Olho para além do espelho
Que encontro, se só vejo
Vendas em olhos cerrados

Queria espalhar nos ares
O imenso amor dos mares
Que trago dentro de mim

Queria emitir serenidade
Paz doce, tranquilidade
No infinito sem fim

4 comentários:

maat disse...

poema no átrio do Santuário da Beleza.
bj.

JPD disse...

Muito bonito!
Parabens.
Bjs

Carmem L Vilanova disse...

Hás de encontrar tudo isto que procuras e muito mais, pois ao encontrar todas estas bênçaos, encontrarás Amor, Felicidade e Paz!
Muitos beijos, Amita querida!

Peter disse...

Não consegui comentar no teu outro blog.Acho que andas a trabalhar demais.Poesia sempre bela, comme d'habitude.