segunda-feira, janeiro 10, 2005

Homem

Tu, louco, cego, acorda de vez!
Olha ao teu redor
O que vês?
A Natureza em sofrimento
Tudo aquilo que te deram
Te confiaram
De belo para cuidares
Destruído, alterado
Por tua ambição contaminado
Os filhos que geraste
Em lentas dores padecendo

Acorda, Homem, e vê!
Florestas destruídas
Dizimadas
Em clareiras de nadas
Como queres respirar?
Azuis mares poluídos
E os rios, revoltados
Onde o peixe não abunda
A terra donde nasceste
Seca, estéril, entristecida
Químicos que lhe puzeste
Já não floresce
Como outrora, lembras-te?

Vê, Homem, o sol a rodopiar
A lua mudando de lugar
Olha a desertificação da Terra
Que causaste
Insano tu provocaste
Ambicionando o poder
Fomentando rixas e guerra
Em gentes a ti iguais
As experiências nucleares
Fragmentando os ares
Que inalas mais e mais

Indignados estão os ventos
Em tempestades
Calamidades
Transformados
Pela tua ambição, inclemência
Triste demência
Homem, grita alto e diz
Do fundo do coração
Chega! Basta! Não!

2 comentários:

JPD disse...

pois é Amita, quem se preocupa com as Resoluções de Quioto?
Bjs

Manoel Carlos disse...

Que impacto ambiental poderá frear a desmedida e imediatista ambição?
Comecemos a boicotar as empresas que, além de grandes poluidoras, fomentam e financiam as guerras, tais como: Esso, Texaco...