segunda-feira, dezembro 20, 2004

Simplicidade

Com simplicidade te escrevo
Sentidas cartas de amor
Faço filmes, reinvento
Tudo para teu contento
Olvidando o pudor
Da concha em que me meto

Todo o dia em letras deslizo
Imaginando sonoridades
Partituras de sonatas
Notas perdidas, baratas
Que foram desperdiçadas
E aos Mestres eu bendigo

Os dias saem correndo
Seguindo águas e ares
Sóis brilhantes e luzentes
Poemas calmos, inclementes
Navegando pelos mares
Em frágil batel desfazendo

Teço rosas, lírios, em cetim
Treino asas, esvoaço
Bebo, saboreio, festividades
Ténues gotas em felicidades
Coisas que por ti faço
E enlaço mundos sem fim

Pinto doces deslizares
Em sonhos resplandescentes
Coso, ponteio, remendo
Letras, sorrisos, ao vento
Em serenidade vivendo
Luz amena de amares

3 comentários:

AS disse...

Na simplicidade de um poema, se desvendam as coisas mais complexas...

Um beijo

antonio disse...

Os aprendizes aplaudem !
;)

Å®t_Øf_£övë disse...

Muito bonito este poema.
Mas a razão principal que me fez passar por aqui hoje foi para te desejar um optimo natal.
Bjs.