domingo, novembro 28, 2004

Não Temo

Não temo
Enfrentar o dia-a-dia
A rotina, com alegria
Sincronização de mim

Não temo
Percursos delineados
Em consciência meditados
Racionalizações outrossim

Não temo
Olhar em frente seguir
Alheamentos sentir
Encontros introspectivos

Não temo
O cinza negro anoitecer
Dias brancos percorrer
Desencontro dos sentidos

Não temo
Climatéricas alterações
Análise fria de ilusões
Imprudências da Mente

Não temo
Vaguear solitária no Tempo
Descobertas de momento
Interioridades somente

Nos sorrisos da certeza
Caminho impávida e serena

2 comentários:

frog disse...

...os medos são fantasmas que teimam em tornar triste o nosso sorriso! os temores vencem-se com a ternura de um abraço... com um olhar de amor...

beijo grande

Anónimo disse...

...não temer requer convicção do que vem a frente... é criar seu espaço e trilhar a caminhada