quarta-feira, novembro 03, 2004

Rir

Rir do ontem, do talvez
Rir por tudo e do nada
Rir em sonhos acordada
Daquilo que não se fez

Rir na noite e de dia
Rir do antes no depois
Rir de tudo que não via
Vogando em ilusões

Rir do directo indirecto
Rir de palavras traídas
Rir das névoas trazidas
Quando tudo era incerto

Rir em belos sóis azuis
Rir em marés encontrada
Rir de ahs, ohs e uis
De poética encapotada

Rir de sábios perderes
Rir do certo imprevisto
Rir daquilo que eu visto
Em crus e parcos haveres

Rir da dúvida na certeza
Rir do claro obscuro
Rir com toda a firmeza
Respiro, vivo, perduro

Rir da dor na alegria
Assim me vou, já é dia!..

3 comentários:

Maria Branco disse...

Rio contigo e para ti... Excelente amiga! Um beijo enorme!

mauro_mars disse...

Vamos nos rir então.

Beijinhos grandes.

frog disse...

...há quem diga que as quadras são a expressão poética mais sincera e expontênea. Tu, demostras isso muito bem!
Muito lindo.

Um beijo