quarta-feira, novembro 10, 2004

Dialogando

Vêde as horas, minha mãe
Tarde se faz, tenho d'ir
Tanto caminho a percorrer
Tantas letras para ler
Tenho mesmo que partir

Pressa? P'ra quê? O mar não sai do lugar
Brisa amena sopra, o sol continua a brilhar

Inclemente, nos dedos desliza a vida
Alteram-se marés e correntes
Rodopia o astro rei nos horizontes
Lâminas de fogo lançando
Lembrando
A mudança já sentida

As cores do arco-íris? A ternura dum sorriso?
Os sonhos do poeta? O voo no tempo contigo?

Minha mãe, assim eu corro...
As pontas d'ilusões, sonhos, agarro
Com toda a força restante
Num silêncio inquietante...
O cru voo do tempo seguro
Num meigo sorriso brilhante
Do poeta adormecido

7 comentários:

Maria Branco disse...

Belissimo amiga! Como tudo o que te leio... Beijos

Luis Duverge disse...

As palavras ao vento
dialogam com o tempo
Vou chegando ...
Até Breve

frog disse...

Muito lindo!... mas o poeta não dorme, medita...

Beijos

Carmem L Vilanova disse...

Belissimo!
Um beijo amigo!
Carmem Lucia Vilanova

Manoel Carlos disse...

Além da beleza, a sutileza.

AnaP disse...

Que diálogo bonito :-) Beijinhos***

lique disse...

Um diálogo belo e profundo, como já nos habituaste. Beijinhos, amiga.